Eu penso (também) assim:

Desejaremos, um dia, o que vivemos: realidade fugaz dos sentimentos,
cheios de paz, de gozo e amor insano!



27 de maio de 2008

Estiagem

Pra respirar novos ares.
Ela também busca romper seus limites.
(Imagem do flickr: carolina salcides)
**************
Se eu fosse você, não deixava de passar no MUNDO A FORA.
Veja lá, como os animais ensinan-nos a sermos seres humanos.
Obrigada Deia pelo convite.
O poster ficou lindo!

29 comentários:

Lino disse...

Muitas vezes o silêncio da boca é o prelúdio de ação da mente.

sôdoida disse...

Mister Lino tem razão. E que linda essa imagem, hein? A cumplicidade entre a beleza e a dureza. Isso soou levemente erótico, saiu não? É a minha alma - ainda tá sujinha, sujinha... rs. Bjo, manazinha!

dácio jaegger disse...

Chuvas.

Tudo!
Muitos pensamentos.
Das nuvens desenhadas
Jorram palavras e versos.
A eleger no entremeio
Do terno e triste
A rediviva mente.
É o despertar primaveril!
A pujança da natureza
Que enquanto calada
"Sapientia divinae"
Forja o bom porvir.
*Amiga, querida Crys, toda estiagem antecede as chuvadas fertilizadoras./ Beijo

Anônimo disse...

" tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo..." quando isso não acontece, minha amiga, algo esta errado...rsrsrsrs... desejo estrelas para as tuas meninas dos olhos...rsrsrsrs... muitos beijos

Claudinha disse...

mereço comentar como anonima??? não né???...rsrsrs...vim só retificar o comentario anterior q foi antes de assinar...rsrsrs... deixo mais estrelas e mais beijos.

mundo a fora disse...

linda... brigada por sua presença constante, já entro nos coments doida pra saber sua opiniao. bom né? esses sentimentos, enfim... na sexta tem surpresa. convide seus amigos a visitar o MUNDO A FORA.

te aguardo lá...

bjoka

Miguel disse...

Miga, "estamos in las mesmas condiciones...", a letra desse bolerão antigo serve para confirmar que estamosd no periodo de estiagem.
A minha esterilidade de prosas e versos está muito mais acentuada que a tua.
Note-se pelo clamor do post.
Que fazer? Aguardar a bonança que virá com certeza depois do estio.

Dora disse...

Eu quero a metáfora...Para romper os limites, e respirar...só nos resta silenciar, e esperar! A vida sempre acontece! E se houver esperança...haverá abundância! Eu creio...
Lindo post, amiga!!!
Beijossssss
Dora

Fernando Amaral disse...

"Lá fora está chovendo... mas assim mesmo eu vou correndo... só para ver o meu amor..."

Obrigado pela visita.

Gostei do blog!

Sonia Regly disse...

Chris,
Vc escreve muito bem Parabéns!!!! Vou linkar seu lindo Blog, ok??
Meu post está aparecendo normal pra mim.Vc têm Mozilla?? Á s vezes está faltando algum programa que permite visualizar o Blog direito. Aqui é normal.Agradeço sua visita, ela muito me alegrou, volte outras vezes.

Loba disse...

estiagem, dizem, é o periodo de renovação. mas se a estiagem gerou o poema, o tempo é de bater asas! rs...
beijo, viu?

Lorena disse...

é impressionante como mesmo com a mente vazia há como se fazer poesia!

Belíssimo poema. =)

beijos!

benechaves disse...

Oi, Chris: muito bom o texto anterior! O eterno dilema entre o velho e o novo. Caritó? Ah...ah... Hoje em dia este termo nem se usa mais, né? Ficou pra 'titia'(rs).

Um beijo novo...

Sonia Regly disse...

Chris,
Coloquei uma postagem interessante sobre O perfil do Jovem Brasileiro e os diversos problemas que cercam a juventude. Passe por lá e deixe seu comentário.

GR disse...

é.. me sinto assim as vezes..
mas nem sempre acho q isso é ruim

Tu escreves bem^^

Zeca disse...

Mesmo na mais brutal estiagem, a poesia consegue encontrar espaço para respirar e inundar de esperança o coração do poeta. Beijos.

Elcio disse...

oi anjo, fique a vontade p pegar a poesia q julgar melhor...volto aqui depois c mais tempo...to meio na correria ok? bjaooo

QuincasB disse...

atchim!!!

Georgia disse...

Crys, obrigada pela visita e estou confiante de que nao somente um mas alguns vao deixar de fumar.

No silencio a gente amadurece. Lindo o poema.

Beijao

sergio disse...

A mente silencia... linda poesia Crys... vc não escreve...vc brinca com as palavras e transforma em poesia.Abraço

Karine Leão disse...

Crys,

Que estiagem mais VIÇOSA, não? Quem dera todas fosse assim, de flores!
Amei o poema!

Beijo Karinhoso, querida!

NANDO DAMÁZIO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
NANDO DAMÁZIO disse...

Adorei a "singeleza" do poema com a imagem .. Abraço !!

Janaina Staciarini disse...

Amei. Muito.

benechaves disse...

Oi, Chris: passando aqui à cata de novidades. E agradecer tb sua sempre gentil e simpática visita. Apareça sempre, os sonhos se multiplicam...

Um beijo de carinho...

mundo a fora disse...

tbm estou com um silêncio contido dentro de mim cry. e busco em palavras como as suas um refugio. não sei se é a idade, não sei se é o instinto que grita.

brigada pelo carinho e queria te dedicar um meme q vou postar hj ainda... ele é muito especial por me fez refletir sobre minha vida e coisas q passei nos ultimo 10 anso, gostaria do fundo do coração q vc aceitasse e respondesse. para q possamos conhecer um pouco de vc. bjoka

te aguardo!

Anônimo disse...

isto me diz tanto... to escutando silêncios no meio duma baruiada (romper limites é comigo mesmo - claro que os meus - mas continuo me sentindo limitada).
Rôoooo, beijo daqui ti
cla

Éverton Vidal disse...

É o famoso (e às vezes angustiante) hiato criativo... Apesar do "silêncio" ele é sempre muito importante para atiçar os músculos da consciência e aflorar ainda mais a criatividade colocando as coisas da mente e do coraçao em seus lugares rs.

Bj.
Inté!

manoela disse...

ando meio assim... como esse poema. bjos